sexta-feira, 9 de novembro de 2007

reflitam ...


PORQUE NÃO?




Como muitas vezes almejamos obter as nossas pequenas realizações e quando não ocorre como esperávamos ou não conquista o resultado almejado, nos frustramos, existe um sentimento de fracasso e incompetência, como reação a frustração: gritamos, brigamos com tudo e todos, mas no fundo este desgosto é de ordem pessoal.

Então inicia uma fase onde o seu melhor amigo é sua consciência e sua melhor companhia e você mesmo.

Duvido que haja alguém no mundo que nunca desejou ter poderes mágicos e poder assim consertar o que não lhe agrada, mas o grande consolo é que a da grande fragilidade dos homens e sua impotência abrange a todos sem distinção alguma. Porem muitas vezes acreditar num mundo surreal facilita o convívio com as adversidades e gera esperança de conquistar os sonhos e objetivos mais complexos, por isso muitos dizem que o mundo mágico existir apenas dentro de cada um.

Como o fato de em algumas situações desejar ter poderes super poderosos e vencer todo mal e injustiça que cai sobre cada um.

Existe a diferença entre não aceitar a realidade e lutar pra conquistar o que almeja e simplesmente assumir o papel de vitima da vida e ficar esperando suas conquistas “caírem do céu”.

Observamos que hoje é comum o individuo justificar suas atitudes ou a sua omissão por conta de problemas no seu passado. É fácil culpar o outro por sua insatisfação e nada fazer para mudar a realidade que é desagradável.

O grande problema da não aceitação da própria frustração muitas vezes favorece que o individuo se feche como uma concha, acreditando que a solução de todos os “problemas”, é você se abster da convivência social e ou paralisar – não fazer nada para modificar a realidade que não lhe satisfaz.

Maria Eduarda muitas vezes foi condenada por ser impetuosa e assumidamente ir a buscas dos seus ideais doendo a quem doer (claro que nossa heroína tem caráter e escrúpulos, que não tem o habito de derrubar alguém para se erguer).

Mas a ousadia e o não temor do olhar alheio, juntamente com as lições que a vida ensinou a Duda, fizeram com que ela se tornasse dura e rígida e que em muitas vezes chega a repelir as pessoas que te querem bem. Ou como já chegou a ouvir que a muralha da china é mais fácil de escalar que adentrar ao seu interior.

Exceto o Sr. Café que tem total confiança e credibilidade com Maria Eduarda, afinal ele nunca deu motivos para que Duda viesse a temer suas atitudes.

Não que Maria Eduarda esteja 100% certa da forma como conduz sua vida, é claro que provavelmente perdeu a oportunidade de conhecer pessoas novas por ficar se preservando mais do que o necessário lógico que devemos ser cautelosos e sempre refletir e buscar a auto preservação interna, mas cautela não é sinônimo de isolamento ou de frieza, evitar a socialização não é sinônimo de cautela, mas de burrice por que você deixa de aprender e de somar com alguém por não permitir que este alguém se aproxime de ti (mesmo que os motivos que te mobilizam para tal atitude sejam racionalmente compreensivos).

Devemos nos perguntar sempre (diz o Sr. Café a Duda): PORQUE NÃO?

Um comentário:

Hakan disse...

o melissa do thınk do ı é succesfulll e tão clevar e tão agradável e assim sweety